São Simão, o berço da Proclamação da República no interior de São Paulo

Além da cidade ser conhecida como o berço da Proclamação da República, existem outros fatos interessantes sobre São Simão. Poucos sabem, mas é um dos municípios mais antigos do Estado de São Paulo com 196 anos - Sua fundação ocorreu em 28 de outubro de 1824 através da lei imperial LXXV- e está localizada na região de Ribeirão Preto a uma distância de 51 quilômetros. A distância entre o município e a capital é de 254 quilômetros.

A cidade é considerada o berço da Proclamação porque foi uma das primeiras a defender a instauração da República no Brasil. Já a Comarca de São Simão foi criada em 12 de maio de 1877 e em 4 de março de 1895 foi elevada à categoria de cidade. Sua população atual é de  aproximadamente 15 mil habitantes.

Visitantes ilustres passaram pelo município no século XIX, como Dom Pedro II e sua esposa Dona Teresa Cristina Maria de Bourbon. Eles desembarcaram na estação ferroviária da época, caminharam pela Rua dos Expedicionários, e logo em seguida foram a uma padaria da cidade.

Hoje São Simão é um dos lugares mais tranquilos do estado, sendo rodeada por grandes morros e detentora de deslumbrantes paisagens naturais. 


Preservação

Prédios antigos como os que estão localizados entre a igreja matriz e o terminal rodoviário fazem parte da formação da cidade preservando a história de São Simão. Uma das partes mais importantes da história do município é a ferrovia. A Estação Ferroviária de Bento Quirino foi fundada em 1902 e no dia 11 de novembro de 2011  foi inaugurado o Museu Ferroviário com o objetivo de resgatar e preservar a história de São Simão.


Saúde

Neste setor o município conta com postos de saúde e a Santa Casa de Misericórdia. Ainda na saúde, São Simão foi o município que registrou o menor número de casos de dengue na região.


Cultura

O Theatro Carlos Gomes é palco de grandes espetáculos teatrais e diversos eventos culturais em São Simão. Construído em 1890, a princípio foi denominado  Theatro Grassmann, por pertencer à empresa Martin Grassmann & Cia. Em 1908 mostrando mais uma vez a vocação progressista de São Simão, foi inaugurado o cinema da cidade que funcionava no mesmo teatro e a partir daquele momento passou a chamar-se “Cine Theatro Carlos Gomes”.


Lazer

O Rio Tamanduá é o lugar preferido para o lazer dos moradores de São Simão e região. O local leva o mesmo nome de sua fonte de água que está situada em meio a uma área de preservação ambiental distante dez quilômetros do centro da cidade.

O rio é dividido em três áreas banhadas por águas de baixa temperatura durante todo o ano, atraindo em média três mil pessoas nos finais de semana. O acesso ao Rio Tamanduá é gratuito e sua estrutura conta com banheiros e um campinho. 


Corrida de Bigas

Um dos esportes quase extintos e conhecido principalmente no Brasil através do clássico do cinema Ben Hur, a atrelagem, ou corrida de Quadrigas tem praticantes no município de São Simão, mais precisamente na Fazenda Estrela D'Oeste, tendo início em 1995. A corrida é uma das grandes atrações do município.


Trilha Off Road

Os praticantes de esportes também encontram outra modalidade no município, a Trilha Off Road (Jeep) que é realizada todos os anos. O evento recebe os  jipeiros entre os meses de outubro e novembro. A Trilha Off Road de São Simão movimenta em média 140 veículos da região. O evento, devido à sua grande importância, recebe cobertura de grandes veículos de comunicação do país.


Rota da Arte

Ao lado de municípios como Altinópolis, Batatais, Brodowski, Franca e Ribeirão Preto, São Simão também passa a integrar a Rota da Arte, que concentra obras de artistas reconhecidos no circuito nacional e internacional. A rota integra o Circuito Turístico Alta Mogiana e firma-se como um destino cultural que preserva a memória de artistas que fizeram história em solo paulista.


Momentos importantes da história de São Simão passam pela ferrovia


Nos 196 anos de história do município de São Simão, parte dela passa pela ferrovia. A fundação da Estação Ferroviária de Bento Quirino ocorreu no início do século 20, em 1902, e para preservar toda a memória desse período da cidade, foi criado o Museu Ferroviário. A inauguração ocorreu no dia 11 de novembro de 2011.

Para que o museu fosse criado, foi realizada uma reforma da antiga estação. Hoje o local abriga uma exposição iconográfica, além de equipamentos, ferramentas, utensílios, documentos e fotos das antigas estradas de ferro do Estado de São Paulo, Minas Gerais e da Região Mogiana. O museu ferroviário em São Simão, de certa forma, presta uma grande homenagem aos ferroviários, parentes e admiradores da ferrovia, além de criar um espaço turístico e cultural no bairro onde está instalado.

A linha que passa por São Simão foi construída aos poucos nos anos 60 e inaugurada no início de 1971, iniciando-se em Tambaú-nova, chegando até pouco depois da estação de Bento Quirino. Com essa junção, o trecho antigo ficou fora da linha. Ela substitui a linha original da Mogiana, que com isso desativou várias estações e criou versões novas de apenas duas: Santos Dumont e São Simão.
No ano de 1997 foram desativados os trens de passageiros e atualmente a linha transporta apenas carga, sendo administrada pela FCA.

Atualmente a Estação de São Simão está aos cuidados da Prefeitura, que instalou um posto da guarda municipal, além de usar uma das salas que foi restaurada para cursos e palestras, em especial por professores da rede municipal.


Teatro Carlos Gomes faz parte da centenária história cultural de São Simão


Quando foi construído em 1890 o hoje Teatro Carlos Gomes chamava-se Theatro Grassmann por ser de propriedade da empresa Martin Grassmann & Cia. Naquela época o teatro era mais que uma casa de espetáculos, pois também eram realizadas reuniões cívicas e até bailes. O tamanho do prédio era considerado pequeno e com toda iluminação a gás acetileno, mas mesmo assim muitas companhias teatrais faziam questão de passar por São Simão para apresentar seus espetáculos no teatro.

Algum tempo depois os proprietários optaram por melhorar e ampliar as instalações, construindo assim um prédio com camarotes. Já em novo prédio recebeu o nome de Theatro Carlos Gomes.

No final do século XIX o cinematógrafo chegou ao Brasil e no começo do século XX, São Simão, que desde sua fundação teve um caráter de cidade progressista, passou a ter seu cinema. Isso ocorreu por volta de 1908 e o cinema funcionava no mesmo teatro, que passou a chamar-se “Cine Theatro Carlos Gomes”.

A nova casa era um dos locais mais importantes da região na área cultural e artística porque mantinha uma estrutura capaz de receber as companhias para apresentações de operetas, revistas de variedades e outros eventos.

A história do Theatro Carlos Gomes sofreu uma interrupção entre 1959 a 1978, quando o prédio foi fechado após a inauguração do Cine Oásis. Nesse período o teatro passou pela sua segunda reforma. Com sua reinauguração no final dos anos 70, ele tornou-se um centro difusor de cultura, motivando a formação de grupos amadores de teatro e danças. Nesse período o Theatro Carlos Gomes foi palco de festivais de música, reuniões cívicas, palestras e debates.

No ano de 1997 o Cine Theatro Carlos Gomes teve suas atividades paralisadas mais uma vez, mas agora por outro motivo. Por deixar de atender às normas de segurança, o teatro foi interditado e assim os grupos se dispersaram e culminou no fim de todos os eventos que faziam parte do calendário cultural do município.    

Para tentar reativá-lo, um grupo de pessoas constituiu a Associação Simonense de Cultura – SOS CULTURA, com o objetivo de elaborar um projeto de recuperação do Theatro Carlos Gomes. 

O projeto preservava a forma original de teatro, adaptando-a às atuais exigências de segurança e aos avanços tecnológicos. Com a ONG aprovada pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, vieram algumas parcerias de empresas e entidades que apoiavam a causa. Assim, em abril de 2008 as obras de reconstrução foram iniciadas. Na ocasião a Prefeitura Municipal de São Simão cedeu à SOS CULTURA a responsabilidade sobre a reforma do teatro e à Associação dos Amigos do Teatro Carlos Gomes, foi cedida a gestão do espaço por um período de 20 anos.

A reforma foi possível porque a ONG SOS CULTURA teve o apoio de inúmeros simonenses, desde pessoas físicas a jurídicas que sonhavam com a volta do Teatro Carlos Gomes que hoje é uma das referências culturais no Estado de São Paulo.

 



Postagem Anterior Próxima Postagem