Montevidéu: Multidões marcham em apoio aos direitos dos grupos de diversidade

Manifestantes LGBTIQ + marcharam na última sexta-feira (24) pelas ruas de Montevidéu, capital do Uruguai, insistindo que “o mundo pertence a todos os seres que habitam o planeta, não a um punhado de pessoas poderosas que sentem que têm o direito de privatizá-lo e destruí-lo”.

As mais de 15 organizações envolvidas no massivo encontro exigiram respostas de um “Estado que está ausente e que envia a mensagem de anti-direitos, de retrocesso e mais repressão”.

Os grupos destacaram a instalação das panelas populares, porque havia fome. Defenderam também a autogestão coletiva e o esforço social na defesa das trajetórias educacionais na infância e na adolescência, além de apoiar os mais carentes.

“Marchamos porque o Estado está ausente, reduziu os programas habitacionais e a ajuda humanitária não chega ou chega tarde demais”, disseram os manifestantes. “As pessoas que vivem com HIV continuam a ser estigmatizadas e violadas pelo sistema e não temos acesso aos medicamentos”, também reivindicaram.

Os manifestantes também protestaram que “a lei abrangente para pessoas trans é sistematicamente violada” e “mutualistas se recusam a cumprir os procedimentos a que são obrigados e o MSP [Ministério da Saúde] se recusa a aplicá-los”.

Os grupos também reivindicaram espaços para que pessoas que não se considerem nem homens nem mulheres possam expressar sua identidade de gênero com total liberdade e que seja estabelecida uma cota em todas as vagas de emprego estaduais para pessoas trans, não binárias, negras e deficientes.

Os organizadores também lembraram que em 2011 e 2012 ocorreram uma série de assassinatos contra profissionais do sexo que permanecem sem solução até a data e exigiram avanços nas causas paralisadas de violações de direitos humanos durante a ditadura militar. O grupo rejeitou categoricamente a Lei de Consideração Urgente (LUC) aprovada pelo governo do presidente Luis Lacalle Pou, que a oposição Frente Amplio (Frente Ampla) busca revogar por meio de um referendo.

“Diante de uma nova Marcha da Diversidade nesta sexta-feira, 24 em Montevidéu, e das realizadas durante o mês de setembro em diferentes partes do país, a Frente Amplio declara: Seu compromisso com a celebração da diversidade em sua concepção mais ampla e seu repúdio a todas as formas de discriminação baseadas em identidade de gênero ou orientação sexual das pessoas. Reivindica os avanços de seus governos com a aprovação de leis que reconhecem os direitos e a cidadania de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais (LGBTI). Assim, no Uruguai existem direitos iguais através das leis de casamento igual, coabitação, adoção, reprodução assistida e integral para pessoas trans, além da aprovação do direito à identidade de gênero e à mudança de nome e sexo no documento de identidade, entre outros. Reafirma que continuará trabalhando incansavelmente para evitar contratempos e a necessidade de avançar na ampliação de direitos para todos. Não basta não voltar, é preciso seguir em frente ”.

A Secretaria de Diversidade do Partido Nacional afirmou: “Em primeiro lugar, queremos reconhecer a tarefa destas organizações sociais não só na coordenação da marcha mas, sobretudo, na árdua luta que têm conduzido nos últimos 30 anos a favor do reconhecimento dos direitos das pessoas da comunidade LGBTIQ +. Estamos cientes de que sem a sociedade civil organizada não haveria lei antidiscriminação, união doméstica, casamento igualitário ou lei abrangente para pessoas trans. Mas também sabemos que ao longo dos anos parte dos grupos que compõem as organizações sociais se alinharam com o discurso, a retórica e a narrativa da Frente Ampla. Por isso fazemos um mea culpa".

Desde 2015, a Câmara Municipal de Montevidéu conta com uma Secretaria de Diversidade para tratar dos direitos desses grupos e, portanto, do compromisso da capital uruguaia com a população LGBTIQ + no seu reconhecimento, respeito e na celebração da diversidade humana.

Informações: Agência Mercopress

Postar um comentário

0 Comentários