Fotógrafa retrata vida de moradores das costas de Sinaloa no México

 fotógrafa Dianne Hofner Saphiere realiza um trabalho de valorização dos moradores das costas de Sinaloa no México retratando o dia a dia das pessoas que fazem parte da realidade daquela localidade.

As costas de Sinaloa são zonas ribeirinhas: belos estuários e lagoas em que os manguezais crescem naturalmente em água salobra, protegendo a costa e os residentes locais de inundações e tempestades, além de fornecer habitat para uma abundância de deliciosos frutos do mar. A observação de pássaros nesta área é de classe mundial.

Os manguezais são um dos ecossistemas mais produtivos biologicamente do planeta, concentrando um grande número de organismos aquáticos, anfíbios e terrestres; Neles ocorrem os estágios juvenis de centenas de espécies de peixes, moluscos e crustáceos, razão pela qual determinam a pesca na plataforma costeira e continental. A palavra “mangue” vem do guarani e significa “árvore retirada”.

Sinaloanos na costa oeste do México colhem camarão nessas águas de forma sustentável há milhares de anos, jogando redes de mão ou tarayas em uma dança que rivaliza com a beleza de seus primos mais conhecidos: as redes de borboletas de Pátzcuaro, no estado de Michoacán.

“O camarão de Sinaloa tornou famosos os nossos aguachiles e tamales barbones. O desenvolvimento sustentável significa manter e melhorar o bem-estar de nossa herança – nosso magnífico ambiente natural, nossa comida tradicional e meios de subsistência, nosso povo feliz e trabalhador – ao mesmo tempo que os torna mais acessíveis e proporcionam meios de subsistência gratificantes” , destaca a fotógrafa Dianne Hofner Saphiere.

É uma ironia poderosa que Mazatlán esteja perdendo seu último estuário intocado e sua última cooperativa costeira de camarão na cidade – Los Veterans de la Revolución Mexicana – enquanto aspiramos ao reconhecimento pela UNESCO de nossas tradições culinárias.

A lei federal estabelece que as praias são de propriedade pública, no entanto, atualmente existe uma cerca de mais de cinco quilômetros de extensão em Delfín, no extremo norte de Mazatlán, que bloqueia o acesso à praia. As placas “À venda” postadas por muitos meses foram removidas recentemente. A cooperativa de pesca, ativa em Estero de la Escopama desde 1967, teve a concessão federal retirada; que poderá transformar a área em uma marina moderna.

Proposta

Esta exposição de arte fotográfica enfatiza a beleza forte e sincrônica da fundição manual de tarrayas. Inclui um tríptico sobre tela do típico pescador sinaloano que lança sua tarraya, bem como séries montadas e emolduradas do processo de fundição. A mostra inclui várias exposições duplas que justapõem a beleza natural do Estero de la Escopama – o último estuário virgem remanescente de Mazatlán – com cenas de uma marina moderna, o mais recente plano para aquela área.

Um retrato em grupo dos atuais membros da cooperativa de pesca é uma peça que evoca a herança deste costume, assim como uma entrevista gravada em vídeo com o último fundador vivo da cooperativa, de 86 anos. A exposição se completa com várias fotos preciosas das aves tropicais que vivem entre os pescadores enquanto trabalham, e um complemento de retratos dos pescadores em seu ambiente.

“Editei as fotos com a cor azul do lado esquerdo e vermelho do lado direito, significando as escolhas que temos que ter como sociedade”, explica a artista.

“Como um residente estrangeiro apaixonado por meu status de adoção, espero sinceramente que esta exposição possa estimular o orgulho de Sinaloa pela beleza natural de Sinaloa e promover a confiança e a segurança. além da criatividade para que a economia se desenvolva de forma a garantir o patrimônio do Estado para as gerações futuras”, finaliza a fotógrafa Dianne Hofner Saphiere.

Postar um comentário

0 Comentários