Governo argentino impõe mais controle às exportações de milho

O ministro da Agricultura da Argentina decidiu aumentar o número de exigências e restrições às exportações de milho depois que o setor atingiu o saldo exportável de 38,5 milhões de toneladas, informou.

Os produtores e exportadores de milho reclamaram de requisitos adicionais, restrições e papelada foram estabelecidos para o desembaraço de suas mercadorias a serem enviadas para o exterior em meio a rumores que variaram de um aumento nos impostos de exportação a uma proibição -ou teto- sobre as vendas internacionais.

“Na semana passada, mais de dois milhões de toneladas foram previstos. Pretende-se encomendar a última seção do ano. As exportações não serão fechadas, mas mais dados serão solicitados ”, disseram fontes do ministro da Agricultura à mídia.

A Argentina está “no limite da oferta” de milho, também foi relatado.

O Ministério irá agora solicitar aos exportadores que apresentem declarações de exportação com “operações devidamente comprovadas com as suas compras físicas e com navios nomeados com uma data de chegada estimada”.

Assim, será dada prioridade aos ingressos das empresas que têm os grãos comprados e o navio atribuído.

“Faltam 5 meses para que o milho da nova safra comece a ser colhido e as exportações já registram tudo o que pode ser exportado”, acrescentam fontes ministeriais.

Como a safra foi de 60 milhões de toneladas, o saldo exportável atingiu 38,5 milhões, dos quais 96,5% vieram das 9 agroexportadoras. Mas na semana passada foram registrados mais de 1,5 milhão de toneladas, um número alto para esta época do ano, por isso decidiu-se aplicar restrições.

O Ministro da Agricultura descreveu a carne, o trigo e o milho como “bens culturais” e defendeu a necessidade de “administrar de forma inteligente os saldos das exportações”.

A aceleração das anotações das vendas ao exterior veio após rumores sobre um possível aumento das taxas de exportação do milho de 12% para 15%.

“Continuar intervindo e burocratizando os mercados é um péssimo sinal que traz desconfiança entre os produtores. Já vivemos desde abril com carne e agora com milho. Nosso país precisa que todos trabalhemos livremente para produzir, sabendo que poderemos vender ”, disse no Twitter o presidente da Sociedade Rural Argentina (SRA), Nicolás Pino.

Os produtores agroalimentares ainda aguardam a tão anunciada reabertura das exportações de carne para a China, que o ministro Julián Domínguez previa que começaria em 4 de outubro, mas não começou.

É nesse cenário que o Ministério da Agricultura decidiu limitar as vendas de milho.

A resolução ministerial que levanta limites às exportações para a China deve ser publicada esta semana no Diário Oficial, mas alguns comerciantes estão céticos, tendo em vista a tradição de intervencionismo do presidente Alberto Fernández.

Fonte: Mercopress

Postar um comentário

0 Comentários