Chile reduz a idade de vacinação para crianças de até 3 anos

As autoridades de saúde chilenas permitiram que crianças a partir de 3 anos fossem vacinadas contra o COVID-19 com os medicamentos Sinovac, desenvolvidos na China, o mais usado em adultos no país, foi anunciado quinta-feira.

Antes de quinta-feira, a imunização havia sido liberada pelo Instituto de Saúde Pública do Governo (ISP) desde os 6 anos de idade.

“Recebemos um relatório de 100 milhões de doses aplicadas na China a crianças entre 3 e 17 anos, das quais relatórios de reações adversas, possivelmente relacionadas à vacina, foram encontrados em 1.890 casos, um número bastante baixo em comparação com 100 milhões de doses aplicadas no país asiático ”, explicou o vice-diretor do ISP, Heriberto García.

García disse ainda que “a produção de anticorpos nas crianças em relação à sua resposta auto-imune” foi “melhor” e que o contágio entre as crianças vacinadas provavelmente cairia a zero, embora isso “precise ser mais investigado”.

A subsecretária de Saúde Pública, Paula Daza, disse que o Governo vai anunciar “como vamos realizar o processo de vacinação dessas crianças” em breve.

Daza, pediatra de profissão, relatou que mais de 94% dos jovens entre 12 e 17 anos já haviam sido vacinados com a primeira dose já havia sido 78,5% das crianças de 6 a 11 anos. “Em relação à cobertura, com ambas as doses, temos 86,3% entre as crianças de 12 a 17 anos e 57,8% ”entre as de 6 a 11 anos.

“Duas semanas após o início da inoculação em meninas, meninos e adolescentes, mostramos que os casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica registrados semanalmente começaram a diminuir”, explica Daza. Até 16 de novembro, foram registrados 403 casos, dos quais 231 foram detectados em 2021, principalmente entre março e a primeira semana de julho, antes da vacinação em massa de menores de 17 anos. “Essa doença ocorre em menores do primeiro mês de vida aos 17 anos, e a idade média desses casos no Chile é de seis anos, então a vacinação tem sido fundamental nessa faixa etária”, disse ela.

O subsecretário destacou ainda que após a sexta semana de vacinação, quando começaram a ser administradas as segundas doses, “os casos de Síndrome Inflamatória Multissistémica têm permanecido entre 0 a 4 casos semanais, principalmente entre 0 e 2 casos por semana”, o que era descrito como algo muito positivo.

O Ministério da Saúde do Chile relatou 2.641 novas infecções por COVID-19 na quinta-feira, uma taxa semelhante à de julho, enquanto os casos ativos aumentaram de 13.659 para 14.393 pacientes. A taxa de incidência continua disparando nas quatro regiões sob escrutínio mais minucioso: Aysén, Atacama, Los Lagos e Bío Bío.

A positividade atingiu 2,99% após 72.684 testes em 176 laboratórios em todo o país, marcando o primeiro dia em que esse índice caiu para menos de 3% após 27 dias consecutivos.

Fonte: Mercopress

Postar um comentário

0 Comentários