Presidente argentino quer troca de dívida para ação climática antes de ir para Glasgow

O presidente argentino Alberto Fernández, que já está em Glasgow para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) após dois dias em Roma para a Cúpula do G20, deve propor uma nova meta de redução de emissões.

“Em Glasgow, a Argentina terá posições importantes no que diz respeito a aumentar o compromisso que havia sido firmado em Paris em 2016 com a redução de emissões”, anunciou a porta-voz presidencial Gabriela Cerruti.

O presidente argentino também deve insistir em “trocas de dívida por ação climática”, que são fundamentais para “sair da crise”.

Enquanto estiver em Glasgow, Fernández deverá se reunir com seu colega costarriquenho Carlos Alvarado Quesada e também com Guy Parmelin, chefe da Confederação Suíça, Guy Parmelin.

Mas antes de partir para a Escócia, Fernández disse em Roma que “justiça ambiental requer justiça financeira global” e que “sem financiamento sustentável não haverá desenvolvimento sustentável”.

Ele também insistiu que os recursos para a implementação do Acordo de Paris são insuficientes para os países mais desfavorecidos, como a Argentina.

Fernández destacou “são os países desenvolvidos que mais se beneficiaram com o uso intensivo dos recursos ambientais durante os últimos séculos”, razão pela qual apelou a “responsabilidades comuns mas diferenciadas”.

O chefe de estado argentino também destacou “uma renovação cosmética”, “não é suficiente” e pediu para identificar avanços em tecnologias limpas como bens públicos globais e alcançar acordos sustentáveis ​​de dívida externa, como trocas de dívida para ação climática, taxas mais baixas e prazos de pagamento mais longos.

Em seu discurso de domingo, Fernández destacou que “a deterioração da casa comum exige uma revisão de seus fundamentos. Sem o multilateralismo ambiental, estaremos todos correndo para o abismo “e citou o ex-presidente Juan Domingo Perón, quando disse que“ juntos salvamos o mundo, ou ninguém o salva ”.

O discurso do presidente Fernández se baseou em uma declaração conjunta do Ministério da Agricultura da Argentina e de produtores privados. Segundo esse documento, a Argentina é credora das mudanças climáticas e não devedora. E embora a mudança climática seja um flagelo global, “há países que têm uma responsabilidade histórica e atual pela degradação ambiental e são eles que devem liderar o processo de mitigação, bem como fornecer os meios econômicos para que outros o adotem”.

De acordo com um relatório do Banco Mundial de 2018, quase 60% dos gases de efeito estufa foram emitidos por apenas cinco países, enquanto a Argentina respondeu por apenas 0,7%.

Fonte: Mercopress

Postar um comentário

0 Comentários