Bolsonaro é criticado por rejeitar ajuda da Argentina

Líderes da oposição brasileira criticaram nesta quinta-feira a decisão do presidente Jair Bolsonaro de rejeitar a ajuda humanitária oferecida pela Argentina para ajudar as vítimas das enchentes no estado da Bahia, onde 24 pessoas morreram e mais de 91.000 foram deslocadas de suas casas. .

Bolsonaro havia dito quinta-feira que "a cooperação que Buenos Aires oferece não é necessária".

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva considerou “lamentável ver um presidente que não ajuda e que rejeita a ajuda [de] outras pessoas”. Lula deve competir com o Bolsonaro nas eleições do próximo ano.

Ciro Gomes, outro candidato à presidência, do Partido Democrático Trabalhista (PDT, centro esquerda), disse que Bolsonaro não aceitou a oferta de Buenos Aires por "capricho, por uma disputa ideológica, porque gosta de namorar a morte de inocentes. ".

O presidente argentino Alberto Fernández ofereceu uma equipe especializada em saneamento, logística, reciclagem de água para diversos usos e apoio psicossocial. O Itamaraty informou esta semana à Embaixada da Argentina que não aceitou a oferta.

As chuvas mais fortes dos últimos 32 anos deixaram 91 mil desabrigados e mais de 600 mil afetados, principalmente no sul e sudeste da Bahia.

Bolsonaro havia anunciado que "a ajuda argentina não seria necessária naquele momento, mas poderia ser admitida em tempo hábil, em caso de agravamento das condições".

“A resposta das Relações Exteriores à Embaixada da Argentina é clara a esse respeito”, explicou Bolsonaro nas redes sociais.

“A oferta fraterna argentina, caríssima para o Brasil, ocorre quando as Forças Armadas, em coordenação com a Defesa Civil, já prestavam esse tipo de assistência à população atingida, inclusive com o apoio de 3 helicópteros da Marinha e do Exército”, acrescentou o presidente das praias catarinenses onde passa as festas de final de ano.

Bolsonaro estivera na Bahia há duas semanas, mas não desta vez em que as chuvas aumentaram e os rios transbordando inundaram dezenas de cidades e deixaram mais de 40 estradas inutilizadas.

O senador Randolfe Rodrigues anunciou nesta quinta-feira que será movida uma ação no Tribunal de Contas da União "para que o presidente devolva o dinheiro que está usando nas férias e que esse dinheiro vá para as vítimas baianas". Rodrigues é o líder do bloco multipartidário de oposição no Senado e pertence ao partido de centro-esquerda “Rede”.

Rodríguez disse ainda que a Câmara Alta "vai convocar o ministro das Relações Exteriores (Carlos França) para dar explicações" sobre o repúdio à ajuda proposta pela Argentina.

Mercopress

Postar um comentário

0 Comentários